Carla Cavalhosa | Espaço Cultural Correios Niterói

Na individual que ocupa o Espaço Cultural Correios de Niterói, até o dia 30 de outubro, Carla Carvalhosa deu asas à “Liberdade”, nome da exposição. Literalmente. As asas se fazem presentes em algumas obras apresentadas, bem como na grande instalação construída com embalagens de detergente líquido reaproveitadas, o ápice da mostra, que convida o público a interagir. Sob curadoria de Márcia Costa, foram reunidas ao todo 30 telas de estilos variados – realismo, hiper-realismo, impressionismo, cubismo, abstracionismo e modernismo – e técnicas diversas, além de três esculturas compostas, tridimensionais, de papietagem em jornal e papel machê.

“Ministro cursos de pintura há 30 anos. A meu ver, tenho uma performance bastante eclética, em parte, talvez, pela diversidade de artistas que venho acompanhando durante todas essas décadas. Gosto dessa liberdade de pintar e modelar o que me emociona e não encaro apenas como uma obra, mas sim como uma parte de mim que se materializa em forma de reflexão”, afirma Carla Carvalhosa.

A artista segmenta a exposição em quatro momentos, utilizando temáticas da vida, enriquecidas com pequenos textos. No primeiro, apresenta obras que refletem a liberdade com cenas do cotidiano onde o direito de ir e vir parece não ter limites. Em seguida, mergulha no mundo subaquático, onde real e imaginário se confundem. No terceiro momento, retrata aquilo que lhe afeta, o que sustenta e fortalece em tempos de crise. Finalmente, encerra com uma instalação que representa a transcendência. Nesse espaço o público poderá interagir com a obra, e refletir sobre seus voos e o que é liberdade para cada um.

“Nesta exposição, Carla Carvalhosa expressa sentimentos em suas obras sobre o que é viver em uma época tão conturbada como esta, desafiando-se a criar em múltiplas linguagens plásticas. Carla reencanta o olhar sobre os materiais, transformando em obra de arte e dando sentido à liberdade de criar a partir de sua sensibilidade e da precisão de suas mãos”, avalia a curadora, Márcia Costa.

Uma curiosidade: a exposição também reúne duas telas que fizeram parte da coleção artistas nos cartões da Telemar, que promete agradar um público de colecionadores que poderá contemplar as obras de perto. São elas:
– Inocência, – prêmio melhor obra em viagem internacional, em 1996, realizada na Biblioteca Nacional – Brasil-Oriente -A violinista – certificado hors concours CSSA, em 1996

Compartilhar: