Bruno Passos | Galeria Kogan Amaro

Azul Negro, 2021, Bruno Passos

Entre o visível e banal do mundo e a sua assimilação através dos sentidos, está o que não pode ser traduzido em palavras. Este fluxo sútil das “entre coisas” move o trabalho realista de Bruno Passos, que utiliza de preceitos da pintura clássica, com uma leitura contemporânea, para convidar o público a sentir e estar presente. Um conjunto destas obras será exibido em Há coisas entre nós que não dizemos em voz alta, exposição que entra em cartaz na Galeria Kogan Amaro a partir de 25 de setembro.

Estilista de formação, Bruno Passos teve seu primeiro contato com a pintura há 8 anos, após conhecer um livro do pintor Henri Matisse (1869-1954). Desde então, o artista se dedica à técnica, a expandindo recentemente para o suporte da escultura. “A arte e a moda são expressões interconectadas, mas, ao mesmo tempo, prefiro me dedicar a apenas uma delas para me aperfeiçoar. Meu próprio pensamento escultórico utiliza da premissa de uma pintura para esculpir. Via de regra, eu não me imagino fazendo nada a não ser pintar ou fazer esculturas”, comenta o artista.

Para a mostra, serão exibidos trabalhos produzidos durante o período da pandemia da Covid-19. As esculturas foram criadas há cerca de um ano e a maioria das pinturas nasceram durante a residência do artista na FAMA Museu. As obras feitas na instituição sediada em Itu, no interior de São Paulo, possuem uma ligação com o espaço, um galpão tombado de aproximadamente 400m2 utilizado por Passos como ateliê, incorporando a sua textura, escala e características sobre a tela.

A dificuldade em importar tecidos do exterior levou o artista a se adaptar às ferramentas disponíveis e nada convencionais, como facas e machados, e materiais utilizados durante uma reforma no local, como tablados de madeira. Apesar disso, todos os trabalhos respeitam o preceito da conservação. Sobre a obra do artista, o historiador Leandro Karnal, convidado a elaborar um texto crítico da mostra, comenta: “As ‘entrecoisas’ surgem com muitos suportes, desde o óleo sobre a tela até o compensado naval. Bruno experimenta. O cinzel pode ser substituído, em algumas esculturas, pela faca. Serão notados golpes de machado em outras pinturas. Há um barbarismo estetizante e cheio de energia. A tinta acrílica e suas fronteiras fortes deve dialogar com o oriental e sóbrio nanquim. Nada fica muito fixo como método.”

Bruno Passos no ateliê | foto acervo pessoal do artista

Todas as obras são criadas a partir de experiências pessoais do artista em expedições pelo Brasil, como o Vale do Ribeira, no Petar, em São Paulo; praia de Maranduba, em Ubatuba; Rio Verde, em Goiás e o Rio Xingu, no Mato Grosso. “Nesses lugares eu desenvolvo uma série de esboços e os deixo guardados por meses. Depois de um tempo, os recupero e vejo o que ainda se sustenta e tem força para eu começar a produzir no estúdio”, explica Passos.

Com a intenção de criar um trabalho sensorial, sobretudo acima da lógica descritiva, o artista retorna ao sentido etimológico da palavra Estética, que significa compreensão do mundo através dos sentidos. “O país de Bruno está imerso no que o artista denominou a ‘universalidade brutal dos sentidos’. Suas obras gritam contra a padronização atual, contra o ‘chapamento’ do real pelos discursos de marketing pessoal. Ele deseja o que pulsa, o que repulsa, o que atrai e choca. Bruno é seduzido pelo ser”, reflete Karnal.

Ao longo da mostra, Bruno Passos promoverá duas rodas de conversa abertas ao público. Os encontros pretendem difundir e ampliar de maneira gratuita o conhecimento dos processos artísticos entre colegas de profissão e apreciadores de arte. As conversas acontecem nos dias 2 e 23 de outubro, das 11h às 14h, com vagas limitadas e inscrições pelo telefone (11) 3045-0755/0944 ou e-mail atendimento@galeriakoganamaro.com.

A Galeria Kogan Amaro funciona de segunda a sexta-feira, das 11h às 19h, e aos sábados, das 11h às 15h. com número limitado de visitantes, uso obrigatório de máscara, além da disponibilização de álcool em gel e orientação de distanciamento mínimo de 1,5 metro entre clientes e colaboradores.

Compartilhar: