Antonio Bokel | Espaço Cultural Correios Niterói

Espaço Cultural Correios Niterói exibe obras inéditas do artista carioca a partir de 20 de março.

Trabalhos em pintura, escultura, vídeo, instalação e intervenção fotográfica questionam a relação homem, natureza e tecnologia.

A literatura sempre pautou o trabalho de Antonio Bokel. A poesia concreta de Augusto de Campos foi um importante disparador de sua obra, bem como os escritos de Fernando Pessoa, José Saramago e Carlos Drummond de Andrade. O conflito entre Deus e Satã narrado em Paraíso Perdido, épico do poeta inglês John Milton (1608-1674), foi a leitura de Bokel durante o início da quarentena, no ano passado. Em dez mil versos sobre a criação do mundo, o clássico relata a vingança dos anjos expulsos do Paraíso em confronto com a criação divina: o homem. Publicado em
1667, esse marco da literatura ocidental dá título à exposição que será aberta no Espaço Cultural Correios Niterói, no dia 20 de março. Com curadoria de Ana Carolina Ralston, a individual reunirá cerca de 30 obras realizadas, em sua maioria, a partir da pandemia.

Compartilhar: