Adolfo Montejo Navas | Fundação Stickel

Em outubro, a Fundação Stickel inaugura a exposição De tudo, apartes, de Adolfo Montejo Navas. Primeira individual do artista na cidade de São Paulo, conta com 16 obras, em diferentes e variados formatos (poesia visual, objetos, fotografia, textualidade visual, caligrafia, desenho, fotografia). O foco principal são dois eixos magnéticos, o verbal e o visual, uma poesia ampliada que estabelece uma conexão entre a poesia visual brasileira inaugurada pelos Concretistas e, eventualmente, articulada com imagens e objetos e também praticada por Joan Brossa ou Marcel Broodthaers com sua a escritura experimental.

Das 16 obras algumas se multiplicam: a coleção de Outros poemas visuais tem 40 peças, sendo 13 deles criadas este ano. Já as variações da obra intituladas Decode comportam 30 pesquisas à vista (ambas obras, aliás, reúnem certo passo do tempo, alguma década). A instalação Conversa é um conjunto de mais de 100 fotografias junto a uma animação, e Lunário é uma projeção com mais de 50 imagens.

Compartilhar: