Acervo em movimento | MARGS – Museu de Arte do Rio Grande do Sul

Ernest Zeuner, A vida na cidade Aspectos característicos de uma cidade

O Museu de Arte do Rio Grande do Sul (MARGS), instituição vinculada à Secretaria de Estado da Cultura do RS (SEDAC), traz a público a partir deste sábado, 12.02.2022, versão inédita e renovada da exposição de longa duração “Acervo em movimento”.

Com a nova configuração, o MARGS se integra às comemorações do aniversário dos 250 anos de Porto Alegre celebrado em março deste ano, apresentando um recorte do Acervo do Museu que destaca obras que trazem alguma alusão, referência ou indicialidade à cidade.

Essas relações com Porto Alegre envolvem aspectos urbanos, geográficos, históricos, temáticos, representacionais e mesmo poéticos, tomando a cidade como mote, motivo, território, espaço-lugar, tempo e/ou índice.
São apresentados cerca de 60 trabalhos, de mais de 40 artistas (confira abaixo a lista dos nomes), compondo um conjunto diverso em pintura, gravura, escultura, desenho, fotografia, vídeo e performance, em um arco histórico de 1918 a 2016.

Sem se orientar por nenhum critério linear, cronológico, geracional, regional, de estilo ou linguagem, a exposição se organiza procurando assinalar de modo transversal aspectos da cidade que as obras em exibição acionam e mobilizam de modo plural e diverso.

André Venzon, Cidades sem Face – MARGS

“Acervo em Movimento” é um programa expositivo dedicado à exibição pública do acervo do MARGS e suas mais de 5 mil obras de arte.
O projeto, que marcou a estreia da atual gestão em 2019, opera com um modelo expositivo de rotatividade das obras expostas, mediante um processo curatorial transversal e compartilhado entre as equipes. Obras entram e saem da exposição com o objetivo de manter uma renovação frequente e constante do conjunto em exibição.

Assim, “Acervo em movimento” pergunta ao visitante: quais relações podem ser feitas entre objetos de diferentes origens, períodos e linguagens? O convite é que o público constitua os seus caminhos interpretativos, estabelecendo os seus próprios encontros, relações e conexões.
Nas palavras do diretor-curador do MARGS, Francisco Dalcol:
“Com a estratégia de rotatividade das obras expostas, as substituições geram recombinações que procuram propor novos diálogos e chaves de compreensão, oferecendo ao público uma exposição sempre viva e dinâmica, que aposta na experiência mais do que nos discursos, e na descoberta mais do que nas verdades. Nesta nova versão, a novidade, além do tema em si da cidade de Porto Alegre, é que estamos trazendo algumas obras que estiveram presentes em meses recentes em outras exposições do Museu, e que agora são apresentadas novamente, porém em novos contextos propostos quanto a relações visuais, conceituais, históricas e discursivas.”

Como um dos programas expositivos implementados pela atual gestão já em seu início em 2019, “Acervo em movimento” é um projeto de caráter permanente que integra uma política institucional de exibição do acervo do MARGS instituída com o objetivo de explorar estratégias de sua abordagem por meio de processos curatoriais voltados à experimentação de modelos expositivos.

A exposição de longa duração com rotatividade de obras do Acervo do MARGS ocupa 3 espaços expositivos de modo permanente no 2º andar do Museu: a galeria João Fahrion e as salas Pedro Weingärtner e Angelo Guido.

Compartilhar: