Um olhar íntimo sobre Picasso

© Musée national Picasso - Paris / Reprodução

© Musée national Picasso - Paris / Reprodução

Um ano após sua reabertura, o Museu Picasso, em Paris, organiza uma exposição que celebra os seus 30 anos e revela a vida pessoal de um dos maiores nomes da história da arte.

A mostra ¡Picasso! é composta por 105 pinturas (86 de Picasso), 92 esculturas, 192 trabalhos gráficos (desenhos, cadernos, livros ilustrados, gravuras, etc.), 190 fotografias, 4 filmes e 300 arquivos documentais.

O lado pessoal do artista é explorado através de sua coleção de obras de arte, que inclui obras de amigos como Miró e Matisse, assim como peças que ilustram sua vida amorosa e familiar. O seu compromisso político, sua ascensão ao estrelato, a repercussão na mídia e o período em que Picasso trocou o pincel pela caneta e dedicou-se à poesia também são pontuados.

O diretor do museu, Laurent Le Bon, disse, em entrevista à ANSA, que o objetivo não é mostrar um Picasso sacralizado ou celebrar suas grandes obras, apesar de elas estarem presentes no evento, mas sim destacar “nossa própria coleção”. Parte da mostra é dedicada à história do museu, abrangendo as grandes doações, a sua abertura em 1985 e as grandes exposições realizadas lá. A instituição é concebida como uma continuação da história de Picasso, mesmo após a sua morte.

No dia 25 de outubro é celebrado o aniversário do artista com atividades especiais no museu. A data também é celebrada pelo Grand Palais com a exposição Picasso.Mania, pelo MoMa, que apresenta uma exposição de esculturas do artista, e pelo Les Abattoirs, com a mostra Picasso, Horizonte Mitológico.

Sobre os últimos anos de vida de Picasso, Emilia Philippot, co-curadora do museu, disse: “Quando você olha para o seu trabalho a partir dos anos 70, ele está com pressa”, como se Picasso, ciente de que sua vida estava chegando ao fim, quisesse reconstruir todo o seu trabalho. “Você vê pintura clássica, homenagens a Van Gogh e Renoir. Ele revisita todos os seus períodos”.

Encontrar novas perspectivas sobre sua obra não é uma tarefa difícil. A exposição Picasso.Mania, no Grand Palais, reúne obras de artistas que foram influenciados por Picasso, como Roy Lichtenstein, David Hockney, Jasper Johns e Andy Warhol. Diana Widmaier-Picasso, uma das curadoras e neta do artista, diz que a exposição “nos permite compreender como os artistas veem o trabalho de Picasso”. Mais de 40 anos após a sua morte, Picasso continua sendo um dos artistas mais revisitados e examinados do século XX.

Compartilhar: