Última obra-prima rara de Da Vinci vai a leilão em Nova York

Salvator Mundi de Leonardo da Vinci

Salvator Mundi de Leonardo da Vinci

Em 2011, a revelação pública dramática de Salvator Mundi (“Salvador do Mundo”) na exposição “Leonardo da Vinci: pintor na Corte de Milão” na National Gallery em Londres causou uma sensação mundial na mídia. Pintado por um dos maiores e mais renomados artistas da história, cujas obras são extremamente raras – menos de 20 pinturas existentes são geralmente aceitas como da mão do artista – foi a primeira descoberta de uma pintura de Leonardo da Vinci desde 1909, quando a “Benois Madonna”, agora no Hermitage, São Petersburgo, apareceu.

Sem dúvida, a maior redescoberta artística do século 21, este exemplo singular de uma pintura da Vinci em mãos privadas será oferecido como um lote especial na venda da noite de arte Pós-guerra e Arte Contemporânea, em 15 de novembro, na Christie’s, em Nova York.

“Salvator Mundi” é uma pintura da figura mais emblemática do mundo pelo artista mais importante de todos os tempos”, diz Loic Gouzer, presidente do pós-guerra e arte contemporânea da Christie’s em Nova York. “A oportunidade de trazer essa obra-prima para o mercado é uma honra que acontece apenas uma vez na vida. Apesar de ser pintada aproximadamente 500 anos atrás, o trabalho de Leonardo é tão influente para a arte que está sendo evidenciada hoje como foi nos séculos 15 e 16. Sentimos que oferecer essa pintura no contexto de nossa noite Pós-Guerra e Contemporânea é um testemunho da relevância duradoura dessa imagem.

A sua inclusão na exposição histórica da National Gallery de 2011-12 – a exibição mais completa das raras pinturas sobreviventes de Leonardo já realizadas – veio depois de mais de seis anos de pesquisa e pesquisa meticulosa para documentar a autenticidade da pintura. Este processo começou pouco depois de a pintura ter sido descoberta – fortemente velada com uma pintura exagerada, e confundida como uma cópia – em um pequeno leilão regional nos Estados Unidos.

Os novos proprietários da pintura avançaram com admirável cuidado e deliberação na limpeza e restauração da pintura, pesquisa e documentação completa, e examinando com cautela sua autenticidade com as principais autoridades mundiais sobre as obras e a carreira do mestre. Dianne Dwyer Modestini, a conservadora que restaurou o trabalho em 2007, recorda sua excitação depois de remover as primeiras camadas de pintura excessiva, quando ela começou a reconhecer que a pintura era realmente do próprio mestre. “Minhas mãos tremiam”, diz ela. “Eu fui para casa e não sabia se eu estava louca”.

A obra-prima recentemente descoberta, que data de cerca de 1500, descreve uma figura de meio-comprimento de Cristo como “Salvador do Mundo”, segurando um orbe de cristal na mão esquerda quando levanta o direito na bênção. Esta pintura de Leonardo acreditava-se há muito tempo que havia sido destruída.

Luke Syson, no catálogo da exposição, “Leonardo da Vinci: pintor na Corte de Milão”, especulou que Leonardo pode ter feito a pintura para a família real francesa e que foi trazido para a Inglaterra pela rainha Henrietta Maria quando ela se casou com Charles I em 1625. O que é reconhecido com certeza é que pertenceu ao rei Charles I (1600-1649), onde é registrado no inventário da coleção real elaborada um ano após sua execução.

O inventário real registra que a pintura foi vendida no “Commonwealth Sale” em 23 de outubro de 1651. Nove anos depois, quando Charles II assumiu o trono e as posses de seu falecido pai foram lembradas por um ato do parlamento, a pintura foi devolvida a coroa. Um inventário de 1666 da coleção de Charles II em Whitehall lista-a entre as pinturas seletas no armário do rei.

Compartilhar: