Surrealismo: Art et Liberté em Reina Sofia

“O surrealismo não é um movimento puramente francês” e “a arte não tem país” foram dois dos slogans definidores do “Art et Liberté”, o grupo anti-nacionalista de artistas surrealistas que surgiram no Cairo em 1938. Uma exposição fascinante e analógica sobre este pouco conhecido surrealismo europeu, “Art et Liberté: Ruptura, Guerra e Surrealismo no Egito (1938-1948)”, com curadoria de Sam Bardaouil e Till Fellrath, estreou no Centro Pompidou no ano passado. Em seguida, viajou para um cenário ainda mais feliz na Reina Sofia de Madri, o museu que abriga “Guernica”, 1937, a pintura épica de Picasso da cidade basca bombardeada por fascistas. Foi essa pintura que os membros da “Art et Liberté” escolheram aparecer na capa de seu manifesto de 1938, “Viva a Arte Degenerada!”, publicada em francês e árabe e escrita, pelo autor egípcio Georges Henein.

O manifesto é um grito de reunião contra os regimes fascistas que fortalece seu domínio em toda a Europa e no Egito, bem como a arte sancionada pelo Estado que se tornou sua propaganda, como a “Grande Exposição de Arte Alemã patrocinada pelos Nazis” e o próprio Salon du Caire. O texto também definiu a agenda política urgente que distinguiu em grande parte o surrealismo de Ramsés Younan, Kamel El-Telmissany, Amy Nimr e Fouad Kamel do de René Magritte e Salvador Dalí. Outra diferença é que os artistas egípcios preferiram o termo “Realismo Subjetivo” – definido como o processo de pintura por instinto e emoção, e depois inserindo símbolos culturais reconhecíveis, como o “Olho de Horus” – para o rótulo do surrealismo.

Mas há semelhanças impressionantes em termos de aparências: paisagens do deserto; relógios; corpo fraturado, pingando e esticado. No centro da exposição está a pintura mural do artista egípcio Mayo “Coups de Bâtons” – talvez a “Guernica” do movimento “Art et Liberté” – uma cena abstraída de brutalidade policial instalada em uma praça do Cairo. As figuras de vara são empaladas por bastões e deixadas pendendo delas, as cadeiras voam pelo ar, todas emaranhadas em um caos harmonioso e ligadas coletivamente à violência.

As divisões políticas acabaram por romper a unidade artística em meados da década de 1940. Muitos artistas da “Art et Liberté” deixaram o Egito no exílio ou acabaram na prisão. Outros passaram a formar o Grupo de Arte Contemporânea, que rejeitou o Surrealismo em favor de uma arte egípcia mais nacional – blasfema a muitos dos fundadores originais. As últimas palavras de Henein para sua esposa antes de sua morte em 1973 passaram a ser vistas como uma metáfora para o movimento breve mas extraordinário, e serviram como título da mostra no Pompidou: “Os bebês elefantes morrem sozinhos”.

Compartilhar: