Resultado da terceira edição C.LAB pela Blau Projects

© Divulgação

O C.LAB Mercosul é um edital lançado anualmente pela Blau Projects visando a estimular e incentivar a arte contemporânea latino-americana por meio do apoio a jovens curadores em início de carreira. Cada um dos dois projetos selecionados na terceira edição recebeu o aporte financeiro de R$ 15 mil reais para a produção de suas exposições na galeria.

Até 20 de agosto, a Blau Projects apresenta o primeiro dos dois projetos selecionados pelo #03 C.LAB Mercosul, edital voltado a jovens curadores que está na terceira edição. A curadora cearense Natália Quinderé apresenta a exposição Formas de abandonar o corpo – parte I, com cerca de 15 obras de dois artistas argentinos e quatro brasileiros.

Com curadoria de Natália Quinderé, Formas de abandonar o corpo – parte I apresenta cerca de 15 obras que buscam refletir o que existe de político no amor em performances, instalações, documentários, vídeos, desenhos e fotografias. A exposição investiga uma noção dilatada de práticas amorosas por meio da exposição de trabalhos de seis artistas: os brasileiros Filipe Acácio, Mayra Redin, Paula Scamparini e Steffania Paola, e os argentinos Marcel Gonnet e María Sábato.

Segundo a curadora, “os trabalhos em conjunto possuem múltiplas camadas sobrepostas: o abandono literal do corpo daquele que goza, as escolhas paradoxais dos nossos objetos de desejo, a construção de um espaço de intimidade singular, a memória da família, o fazer loucuras por amor, lembrando que existem aqueles que matam e morrem por ele.”

C.LAB – Residência artística
Além dos dois projetos curatoriais selecionados para exposição, o C.LAB Mercosul, em parceria com o projeto PAC – Prácticas Artísticas Contemporáneas, premiou a curadora Thais Gouveia com uma bolsa para pesquisa, que inclui uma residência em Buenos Aires, onde a jovem curadora terá a oportunidade de aprofundar a sua pesquisa convivendo, por aproximadamente 30 dias, com mais 10 jovens curadores latinos, visitando instituições e atelies de artistas locais.

Os projetos foram avaliados e selecionados por uma comissão independente composta pela venezuelana radicada em Nova Iorque Isabela Villanueva, que atuou como curadora assistente da 30a Bienal internacional de São Paulo, a argentina Gachi Prieto, galerista em Buenos Aires e coordenadora do PAC – Prácticas Artisticas contemporaneas e o cubano naturalizado brasileiro Andrés Hernandez, que já atuou como coordenador executivo do departamento de curadoria do MAM-SP. Os critérios de seleção incluem relevância no panorama da produção artística contemporânea, conexões e intercâmbios entre artistas que vivem e/ou trabalham na América Latina, objetividade, viabilidade, originalidade e ineditismo.

Natália Quinderé
É doutoranda em História e crítica de arte (PPGAV/ EBA/ UFRJ), com uma pesquisa sobre os museus de artista. A assinou a cocuradoria do Jardim de Inverno, ao lado do então diretor da Casa França-Brasil Pablo Léon de La Barra, de agosto a setembro de 2015. Em 2016, ao lado da artista Ana Hupe, desenvolve projeto curatorial de Leituras para mover o centro – exposição de Hupe contemplada com o prêmio CCBB contemporâneo, no Rio de Janeiro.

Sobre o C.LAB
Concebido como projeto independente do programa regular de exposições da Blau Projects, o concurso anual C.LAB seleciona e apoia projetos de curadores e artistas independentes para exposição no espaço da galeria, reforçando seu papel de incubadora e difusora da arte contemporânea. A primeira edição, realizada em 2014, resultou na produção e exibição dos projetos Ampulheta, do curador Douglas Negrisolli, e (…) pegaríamos as coisas onde elas crescem, pelo meio (…), da curadora Galciani Neves. Em 2015, a segunda edição do C.LAB apresentou como resultado a exposição Na Iminência, da curadora Carolina Soares, e Território, povoação, dos curadores Gabriel Bogossian e Juliana Gontijo.

Compartilhar: