Premiação da Revista ZUM e IMS levanta polêmica

zum

No último dia 25/7, o Instituto Moreira Salles e a revista ZUM anunciaram os dois projetos ganhadores da Bolsa de Fotografia ZUM/IMS 2016.

A maior surpresa ficou por conta da mensagens deixadas no site da revista pelos participantes do edital. As mensagens indicam revolta dos participantes por não terem oportunidades no edital como iniciantes.

Segundo o Instituto e a revista ZUM, além da qualidade artística de cada projeto, também foram avaliadas pela comissão julgadora a qualificação dos candidatos e a viabilidade prática da proposta. Neste ano, o edital recebeu mais de 800 projetos, enviados de todas as regiões do Brasil.

Os projetos contemplados foram:

1- Brasil x Argentina (Amazônia e Patagônia), de Dora Longo Bahia – projeto de construção de uma instalação audiovisual feita com fotografias e vídeos que retratem o derretimento das geleiras de Perito Moreno e as queimadas da floresta Amazônica.

2- Sambashiva – As fotografias de Sambasiva Rao Patchineelam, de Vijai Patchineelam: projeto de pesquisa do arquivo fotográfico do cientista Sambasiva Rao Patchineelam, com vistas a uma publicação de artista que discuta questões como a autoria, a edição e a apropriação de imagens.

O objetivo da premiação é fomentar o trabalho de artistas e fotógrafos no campo da fotografia, nas mais variadas vertentes, sem restrição de tema, perfil ou suporte. Os projetos selecionados este ano demonstram essa diversidade ao explorar questões como a instalação audiovisual e a edição de imagens de arquivo.

Cada selecionado receberá uma bolsa no valor de R$ 65 mil e terá oito meses para desenvolver o trabalho. O resultado final dos projetos selecionados será incorporado ao Acervo de Fotografia do Instituto Moreira Salles.

Sobre os vencedores:

Dora Longo Bahia (São Paulo/SP – 1961)

Doutora em poéticas visuais pela ECA/USP, onde atualmente leciona, e com pós-doutorado em filosofia pela FFLCH/USP. Expõe regularmente no Brasil e no exterior desde os anos 1980. Artista multimídia, suas obras tratam de temas como violência, sexo e morte.

Vijai Patchineelam (Niterói/RJ – 1983)

Doutor pela Royal Academy of Fine Arts (Antuérpia) em 2016, fez o bacharelado em desenho industrial na Universidade Federal do Rio de Janeiro em 2007. Participou de diversas exposições coletivas e individuais, além de residências dentro e fora do Brasil. Seu trabalho mescla fotografia, vídeo e publicações.

Comissão julgadora 2016:

Luiz Camillo Osório, crítico de arte e professor de estética e história da arte na UniRio e na PUC-RJ

Thyago Nogueira, editor da ZUM e coordenador de fotografia contemporânea do IMS

Heloisa Espada, coordenadora de artes visuais do IMS

Lorenzo Mammì, curador de programação e eventos do IMS

Sergio Burgi, coordenador de fotografia do IMS

Compartilhar: