O limiar dos mistérios da arte na SIM Galeria

Mistérios, enigmas e o vasto desconhecido que cercam nossa existência mobilizam o olhar de uma série de artistas. Reunidos na exposição Limiar da SIM Galeria.

Mistérios, enigmas e o vasto desconhecido que cercam nossa existência mobilizam o olhar de uma série de artistas. Reunidos na exposição Limiar, que acontece na SIM Galeria a partir do dia 20 de janeiro, dez nomes da nova geração paranaense apresentam, por meio dos mais variados suportes – pintura, fotografia, escultura e vídeo – narrativas extraordinárias geradas sobre a matéria do mundo, aquilo que nos é invisível ou banal. Com curadoria de Arthur do Carmo e Tony Camargo, a mostra traz trabalhos que revigoram a linguagem, introduzindo uma poética com novos desdobramentos simbólicos e dialéticos.

Nas fotos e vídeos de Daniel Duda, a relação entre o meio digital e a concretude física explicita de que maneira ocorre a sutil troca entre homem/máquina e meio/tecnologia. Em busca de uma poética afetiva tecnológica, Jack Holmer percorre a forma tentando visualizar o que carece de conexão, interação e amparo. Com imagens manipuladas, Janete Anderman transporta seus personagens para um universo surreal e nostálgico. Já Hugo Mendes produz esculturas tridimensionais a partir de técnicas e materiais variados, tendo como base objetos ready-mades e outros confeccionados manualmente.

Todas as obras expostas oferecem novas possibilidades de pensamento e uma outra espécie de racionalidade, que nos levam a desvendar conceitos e matérias. Os desenhos e as pinturas de André Azevedo nos transportam a um lugar-comum e oferecem memórias e lembranças de algo que não vivemos. Lailana Krinski explora cruzamentos e aproximações entre as linguagens do desenho e da instalação. Em suas obras, C. L. Salvaro trabalha com a configuração dos espaços e a questão de local, construção, resquícios e percepção. As instalações, esculturas e intervenções de Juan Parada sugerem impermanência e instabilidade, além de investigar as relações de tempo-espaço. Já as pinturas de Samuel Dickow carregam uma reflexão sobre o processo de produção pictórico e seus modos de representação. Utilizando diferentes métodos, as telas de Willian Santos apresentam conexões e desconexões que permitem ao observador ir além e aquém da imagem.

“O conglomerado de artistas aqui reunidos se encontram num arquipélago formado por seus próprios trabalhos, resultado de pesquisas aprofundadas que vêm desestabilizando a própria ideia de linguagem, sem perder de vista seus conceitos e sua história, encontrando nos rudimentos do acaso o limiar dos mistérios que nos ensinam a olhar incessantemente o mundo através do terreno inóspito da arte”, explica Arthur do Carmo. Limiar fica em cartaz na SIM Galeria até 27 de fevereiro.

Sobre a SIM Galeria

Fundada em 2011, a SIM Galeria é comandada por Guilherme e Laura Simões de Assis, que trazem um background familiar de envolvimento com as artes. Sempre priorizando a qualidade de obras e artistas, a galeria surgiu com a proposta de difundir as manifestações contemporâneas de arte. Mais do que um espaço expositivo, a SIM possibilita a troca de experiências e informações entre público e artistas diversos. Com 15 artistas nacionais e internacionais representados e participação nos principais eventos de arte do mundo, como a ArtRio e a SP-Arte, a galeria já se estabeleceu como um importante ponto de divulgação da arte contemporânea no Brasil.

Serviço:
Exposição Limiar
Curadoria: Arthur do Carmo e Tony Camargo
Artistas: André Azevedo, C.L. Salvaro, Daniel Duda, Hugo Mendes, Jack Holmer, Janete Anderman, Juan Parada, Lailana Krinski, Samuel Dickow e Willian Santos.
Local: SIM Galeria – Alameda Presidente Taunay, 130 A – Batel – Curitiba (PR)
Abertura: 20 de janeiro de 2015
Período: de 21 de janeiro a 27 de fevereiro de 2015
Entrada gratuita

Compartilhar: