Novo projeto do MASP dialoga com o espaço comum e o lazer no museu

© Foto: Jose Xavier

© Foto: Jose Xavier

De 17 de março a 31 de julho de 2016, o MASP apresenta o projeto de arte contemporânea Playgrounds, que contará com seis novas propostas de artistas e coletivos em torno do que é o espaço comum, o lazer, o lúdico e a participação dos públicos no museu. Os convidados são: Ernesto Neto (Rio de Janeiro), Yto Barrada (Marrocos), Céline Condorelli (França/Inglaterra), Rasheed Araeen (Paquistão/Inglaterra) e os coletivos Grupo Contrafilé (São Paulo) e O Grupo Inteiro (São Paulo).

O nome Playgrounds é apropriado da exposição individual homônima do artista brasileiro Nelson Leirner, realizada na inauguração do edifício do MASP, na Avenida Paulista, em 1969. A exposição Playgrounds, de Leirner, ocupou o Vão Livre do museu com uma série de obras participativas dispostas ao ar livre, ativando a rua e o espaço urbano e misturando os limites entre arte e a vida. A nova montagem de Playgrounds, porém, não pretende recriar a exposição original com obras de Leirner, mas sim recuperar a dimensão do engajamento e do jogo como uma forma emancipatória e um modo de organizar a vida social e coletiva da comunidade do museu.

Essa dimensão está presente também na concepção museológica da arquitetura de Lina Bo Bardi, que atribuiu grande importância ao espaço público e às possibilidades que ele oferece no processo de construção de comunidades. Em um dos desenhos de Lina para o museu, Esculturas praticáveis do Belvedere, Museu Arte Trianon (1968), a arquiteta retrata a área do Vão Livre como um playground para crianças. Com essa proposta, as crianças não só trariam alegria ao museu, mas também poderiam ter interesse em adentrá-lo e conhecer o acervo por vontade própria.

Em 2016, Playgrounds será um projeto interdisciplinar, que ocupará o Vão Livre (a confirmar) e o 2º subsolo do MASP, integrando a exposição aos programas públicos e de mediação do museu, iniciativa que faz parte da reformulação do programa educativo iniciada em 2015. Dessa forma, Playgrounds pretende estabelecer espaços de diálogos e atividades no próprio espaço expositivo. A educação, antes um “serviço” oferecido após a concepção das exposições, se difunde em todo o museu – entendido como um ambiente de convivência, formação e compartilhamento de conhecimento que pode engajar diferentes públicos de modos variados.

Playgrounds tem curadoria de Adriano Pedrosa (diretor artístico do MASP), Julieta González (curadora de Arte Moderna e Contemporânea) e Luiza Proença (curadora de Mediação e Programas Públicos).

Compartilhar: