Exposição Realidades Inventadas no Almacén Galeria Gávea

Exposição Realidades Inventadas de Christiana Guinle e Victor Haim a partir de 6 de maio no Almacén Galeria Gávea

Almacén Galeria Gávea

 apresenta

 Christiana Guinle e Victor Haim

 na exposição

 Realidades Inventadas

 A partir do dia 06 de maio

Atriz e fotógrafo se complementam em exposição de artes plásticas

 

A partir do dia 06 de maio, a atriz e artista plástica Christiana Guinle, ao lado do fotógrafo e diretor de arte Victor Haim, estarão expondo alguns de seus trabalhos inéditos na Almacén Galeria Gávea, no Shopping da Gávea. Reunindo nove obras de Christiana e sete de Victor, a exposição “Realidades Inventadas”, organizada pelo marchand Edson Thebaldi, tem curadoria de Marcelo Campos e assistência de André Sheik. As obras, em exposição até o dia 25 de maio, estarão à venda.

Após o fim da novela “Lado a Lado”, onde interpretou a personagem Carlota, Christiana decidiu focar em outra arte que sempre foi uma de suas paixões, a fotografia. Mostrando pela primeira vez seu lado fotógrafa e artista plástica, a atriz reuniu imagens clicadas por ela mesma, além de outras imagens diversas, criando verdadeiras obras de arte, baseadas na manipulação das fotografias através dos mais modernos programas de edição de imagem. Victor, que já carrega na bagagem outras exposições, exibe desta vez um trabalho inédito resultante de um ensaio realizado em seu próprio ateliê onde utilizou somente a luz do dia que adentrava o espaço pelos vãos das persianas das janelas, criando obras únicas no contraste entre luz e sombra. As fotos estarão expostas em duas versões, positiva e negativa.

 

 

Obra de Christiana Guinle

 

SOBRE A EXPOSIÇÃO

A gênese da fotografia é o registro imagético da realidade. Ao mesmo tempo, a imagem impressa configurou uma tentativa de captura quase espiritual dos acontecimentos. Com o surgimento da fotografia no século XIX, os pintores tiveram outras condições e assumiram novos dispositivos para a observação em suas criações.

No começo do século XX, os artistas começaram experimentações usando a fotografia. Agora, quando diversos equipamentos eletrônicos permitem a captura de fotos digitais e a sua manipulação, vivemos um período de profusão de imagens. Os artistas têm mais e mais possibilidades de explorar este meio, se distanciando da simples anotação visual. E a fotografia já alcançou o seu lugar de prestígio nos museus e nas coleções particulares.

Christiana Guinle e Victor Haim são artistas visuais que constroem suas realidades na fotografia. Christiana fotografa, corta, recorta, monta, edita, recria e se apropria de imagens fotográficas as transformando em universos próprios, onde cada um é convidado a entrar e viajar com ela em um sonho exclusivo, pessoal e intransferível. Já na série apresentada nessa exposição, Victor prepara cenas conjecturando geometrias, inventa seus pequenos mundos a partir de contrastes entre luz e sombra, e de objetos, criados por ele, num cenário dramático onde algo está prestes a acontecer ou acabou de se desenrolar. Ficam assim registrados momentos imaginários de suspensão que nos fazem imaginar uma história.

“Como atriz, meu desejo nas artes ou em minhas fotos é contar uma historia que será particular para cada um, assim como é para o espectador. Só assim consigo construí-las, pedaço a pedaço, como em um texto que interpreto, como se eu estivesse entrando em cena.”, explica Christiana.

Ambos os trabalhos são fruto da trajetória da fotografia e de seus usos, e é possível identificar uma herança que tem como referências as obras de Andy Warhol, Mimmo Rotella, Man Ray e de Geraldo de Barros. Novos meios, outros gestos que nos fazem testemunhas de alterações artificiais, de mudanças nas cenas. Obras inéditas que se complementam e encanta quem as observa. 

“Quando fotografo, entro numa frequência quase meditativa. Busco outros universos na realidade que me cerca. Quando enquadrada, a realidade me transporta para outros universos descolados do aqui e agora. Só depois, olhando o resultado, é que faço conexões e o compreendo. A série Linhas é, para mim, um espaço cênico para a representação teatral de um texto ainda não escrito, uma ação prestes a acontecer que não dependerá de mim, mas daquele que nele a imaginar.”, afirma Haim.

 

 

Obra de Victor Haim

 

SOBRE CHRISTIANA GUINLE

Assim com interpreta textos para as artes cênicas, Christiana Guinle interpreta em suas fotos o feminino contemporâneo e sua complexidade. Utilizando as ferramentas digitais em dispositivos móveis, num processo intenso de pesquisa, Christiana seleciona imagens com as quais constrói as suas obras, suas histórias, histórias de mulheres sob seus arquétipos e papéis no passado, presente e futuro.

O alcance e reação do público a algumas das imagens publicadas on line chamou a atenção da artista e criou a necessidade de expor suas obras para o público brasileiro – sua página no Facebook possui usuários do Brasil além de países como África do Sul, Alemanha, Angola, Arábia Saudita, Austrália, China, Dinamarca, Estados Unidos, França, Holanda, Inglaterra, Japão, Portugal, Suécia, entre outros. Seu trabalho é impactante e desperta no expectador a consciência da alma feminina, tema principal da sua obra.

Em fusão com obras de artistas como Andy Warhol, Pablo Picasso, Roy Litchtenstein, Salvador Dali, artistas de Street Art, marcas como Coco Chanel e Christian Dior, imagens artísticas e jornalísticas e, naturalmente, referências cinematográficas e teatrais, Christiana cria personagens que protagonizam os conflitos contemporâneos, questões atuais do mundo. Impossível passar despercebida a sensibilidade feminina em cada imagem: drama, sensualidade, ousadia, busca, dúvida, exploração, preconceitos.

A fotografia na estética de Christiana se funde, se mixa com textos e histórias, se transforma. O que se propõe apresentar: Mixed Arts, Collage, Montage, Blended ou Fusion? Apresenta-se ARTE em diálogo com a sociedade, com o tempo, com o mundo da moda, com o mercado, com a sensualidade, com a economia: A Alma Feminina por Christiana Guinle.

Christiana Guinle, atriz com mais de 30 anos de carreira, premiada nacional e internacionalmente por sua atuação em produções para cinema, teatro e televisão, iniciou sua pesquisa e experimentos com as ferramentas de arte digital há cerca de oito anos e, pela primeira vez, mostra ao público a suas obras.

SOBRE VICTOR HAIM

Não se deixe seduzir pela superfície das imagens. Esta é uma tentação fácil, uma redução que irá privar-lhe de outras sensações. As imagens captadas por Victor Haim revelam distintas aparições, e têm origens e naturezas diversas, mantendo uma unidade que não se resume à técnica fotográfica, pois está presente também nas formas, nas cores e na maneira como os assuntos são abordados. É preciso ver com calma para estabelecer as relações.

O nosso olhar está aonde o nosso olho vai. Quando encontra suas pinturas nos reflexos das superfícies irregulares (seja na lataria do carro, no café ou na água), após procurar um aspecto específico, porém indefinido, na aleatoriedade, Victor está em busca do silêncio. Uma separação do mundo externo em um abrigo construído. 

Mesmo quando seleciona o que será refletido, não há controle sobre qual transformação a superfície irá proporcionar, só é possível dominar a escolha do ângulo e do enquadramento ao fazer a captura – desvelando-se, aí, a visão do artista. Opera-se, então, uma redefinição do mundo com distorções próprias de uma realidade percebida por cada ponto de vista singular do observador. Há o encontro com esse universo silencioso que salta aos olhos de quem para ele olha e o vê. Infinitas imagens gritam diante de nós todos os dias, escolhemos aonde fixar o nosso olhar.

O artista reconstrói o mundo a partir do próprio mundo, cria uma nova realidade ao estancar, na fotografia, a constante mudança das formas e das cores que nos rodeiam. Abrem-se novas perspectivas para o espectador, instigando-o a refletir sobre o que existe para além da superficialidade aparente. Reflexos gerando reflexões; superfícies levando-nos para um denso mergulho.

Victor observa o seu entorno e capta aquilo que o sensibiliza. Sem passar despercebidos, os refúgios do olho, captados pelas lentes, mais do que simples registros, vêm invadir suavemente a nossa percepção do visível, atingindo as nossas sensibilidades de maneira ampla e profunda.

Deixe-se seduzir pelas imagens.

André Sheik – dezembro 2011

SERVIÇO

Vernisage: 06 de maio de 2014, às 19h

Temporada: 07 a 25 de maio de 2014

Local: Almacén Galeria Gávea

Endereço: Rua Marques de São Vicente, 52 – loja 205 (2º. piso – Shopping da Gávea)
Telefones: (21) 3594-9231 | 3594-9233

Horário da visitação: segunda a sábado, de 10h às 22h, domingo e feriados, de 15h às 21h

Organização: Edson Thebaldi

Curadoria: Marcelo Campos

Assistência: André Sheik

www.almacengaleria.com/

 

Compartilhar: