Burle Marx e Beatriz Milhazes no Museu Judaíco em Nova York

© James Cohan Gallery

© James Cohan Gallery

Em Nova York, o museu judaíco abre duas novas exposições que remetem a flora e natureza celebrando a obra do paisagista Roberto Burle Marx e da artista visual Beatriz Milhazes. Ambos brasileiros, Burle Marx, que morreu em 1994, e Milhazes têm afinidade para a natureza – especialmente a cidade do Rio de Janeiro, que ambos chamam de casa.

Trabalhando na borda do jardim botânico do Rio de Janeiro, Milhazes se sente mais estimulada. “Eu preciso estar perto da natureza para desenvolver minha arte. Me dá o que eu preciso para estar inspirada”, disse a artista ao site ARTINFO. “Mas a primeira vez que eu usei flores, a referência, na verdade, veio das artes decorativas, e não a natureza do Rio. Até quatro ou cinco anos atrás eu não estava olhando para ela diretamente”.

A copa composta de flores de plástico e bolas de ouro está exposta na entrada do museu. A instalação site-specific Gamboa II, concebida para o espaço faz parte do convite rotativo da instituição para seu lobby. A instalação continua interesse recente de Milhazes na escultura responsivo. O primeiro mobile que ela criou saiu de uma encomenda pela companhia de dança de sua irmã – este novo trabalho é como uma progressão orgânica a partir desse ponto de partida. “Eles respondem ao espaço”, Milhazes explicou, referindo-se às instalações escultóricas. “No começo eu pensei que ia ser muito, mas ele realmente funciona perfeitamente.

O interesse de Milhazes na arquitetura antecede suas próprias incursões em escultura. “Eu sempre me senti muito ligada ao modernismo”, disse ela. “Claro, Burle Marx tem sido uma das minhas influências para sempre. Eu cresci em Copacabana – quando eu desenvolvi minha própria linguagem, eu queria usar isso “, disse, referindo-se a” Avenida Atlântica, “calçada icônica de Burle Marx ao longo do litoral do Rio, que começa sua retrospectiva, um pouco a frente do lobby.

Sobre a exposição de Burle Marx.

1462819757-20b57

No início das obras de Burle Marx no papel, caracteres embaralhados habitam estrategicamente paisagens em camadas, o mesmo tipo de estratégia o designer usaria no jardim do Ministério da Educação e edifício de Saúde de Le Corbusier, no Rio de Janeiro, em 1938.

Assim como Milhazes, tendências modernistas podem ser vistas em todas as facetas da obra de Burle Marx, a partir de suas próprias experiências no projeto conjunto com seus azulejos com doodles de peixe pintados à mão.

Embora essas obras contemporâneas forneçam contexto para o legado de Burle Marx, a adição mais surpreendente para a mostra do arquiteto paisagista é uma tapeçaria gigante que ocupa toda a parede de trás. Originalmente concebido para Ministério das Relações Exteriores de Brasília, a obra une as regiões ecológicas do Brasil através da linguagem da abstração. O ritmo geométrico estabelecido pelo tapete ajuda a dar contexto para projetos de Burle Marx.

Interpretando as influências internacionais que aterraram em sua porta, artistas brasileiros estabeleceram a sua própria identidade através da mistura de influências de definição de cultura como a do Samba e no Brasil como cenário verdejante. “Agora eu posso dizer que o meu trabalho usa algumas coisas que são muito locais, mas sempre através de uma língua internacional”, disse Milhazes. “É incrível como ela ressoa em todos os lugares que eu vá.”

Compartilhar: