Bienal de Veneza: Pavilhão do Brasil recebe menção honrosa

fg_g_brasile_9760

Cinthia Marcelle

A artista mineira Cinthia Marcelle propôs a instalação “Chão de caça” [Hunting Ground] no Pavilhão Brasileiro, com a curadoria de Jochen Volz, recebeu a menção honrosa durante a Bienal de Arte de Veneza 2017, inaugurada em 13 de maio. A instalação é composta por um piso inclinado feito de grades de ventilação soldadas que ocupa todo o interior das duas galerias do pavilhão brasileiro. Entre os pequenos vãos das grades, seixos rolados dos arredores do local da exposição foram inseridos. Entrelaçados com a grade e os seixos, estão elementos escultóricos adicionais, uma série de pinturas e um filme tocando ininterruptamente.

Desenvolvido por Cinthia Marcelle em conjunto com o cineasta Tiago Mata Machado, o vídeo mostra um único enquadramento de um telhado sendo gradualmente desmontado a partir do interior, sugerindo uma rebelião ou uma fuga. Referencia-se às diversas rebeliões ocorridas em todo o mundo, Glasgow, Milão, Sri Lanka e Sydney, até o horrível massacre ocorrido nas penitenciárias brasileiras nos últimos meses. Naturalmente, o filme de Marcelle e Machado não menciona diretamente nenhum desses eventos, muito menos ilustra as reais condições de prisão. Veja imagens.

Fonte: Eduardo Costa (ArchDaily Brasil)

Ernesto Neto

O povo Huni Kui estará presente ao evento, por meio da exposição do artista plástico brasileiro Ernesto Neto que é inspirado na cultura desse povo.
Uma delegação constituída por lideranças Huni Kuin, entre eles o assessor para Assuntos Indígenas do governo do Acre, Zezinho Yube, o presidente da Federação Huni Kui do Acre (Fephac), Ninawa Inu Huni Kui, o conselheiro e liderança do Jordão Siâ Osair Sales, a liderança na aldeia São Joaquim, Siã Tadeu e duas mestras do Kene, Maria Carla e Ana Paula, foram convidados para participar da abertura da exposição.
A arte de Ernesto Neto exposta na Bienal de Veneza+! foi construída em composição com a arte tradicional Kene, desenhos geométricos que, segundo um dos mitos Huni Kuin, vieram do Yube, a jiboia encantada e é um relevante bem patrimonial desse povo.
Além de participar da abertura da exposição à viagem da Veneza teve o objetivo de divulgar a cultura indígena e viabilizar parcerias. Assim, alguns integrantes da delegação participaram de outras agendas como contatos com lideres e representantes de governos, apresentação de projetos e articulação de parcerias com a finalidade de beneficiar o fortalecimento da Fephac e do povo Huni Kuin como um todo.

Paulo Bruscky

Para tentar passar despercebido pela censura na época da ditadura, o recifense Paulo Bruscky fazia circular suas ideias por meio do serviço de postagem. Cartas, postais, fotocópias e anúncios de jornal eram seus suportes preferidos. Para a Bienal de Veneza, Bruscky escolheu o mesmo serviço: ele enviou trinta caixas à cidade italiana, que chegaram de barco e depois foram levadas por trinta carregadores até o local onde se concentra o evento.
Bruscky defende a ideia de que a arte e a vida andam sempre juntas – por isso, não poderia deixar de trazer uma performance que poderia passar despercebida, como um acontecimento cotidiano do evento. A diferença é que, dentro das caixas padronizadas e etiquetadas não havia obras de arte: elas estavam vazias. Com isso, ele faz uma crítica à falta de profundidade das obras contemporâneas que, a sua vista, são meros objetos de consumo.
Ele também apresentou um trabalho na qual artistas vestem camisetas que completam as palavras Poesia Viva.

Erika Verzutti

A artista paulistana participou da última Bienal de São Paulo, em 2016, e logo foi escalada para o time de brasileiros em Veneza. Ela apresenta a escultura Turtle, uma tartaruga de papel machê, e Pet Cemetery, uma série de obras feitas em concreto, bronze, resina e cerâmica espalhadas em um dos jardins da cidade italiana.
Para esta última série, Erika teve como referência imagens de túmulos de animais e as esculturas que seus donos colocam neles. Criou, então, esculturas de todos os animais que pudesse pensar, explorando diversos materiais e suas propriedades.

Compartilhar: