Projeto Latitude lança a 4a Pesquisa Setorial Latitude

O Projeto Latitude lança no dia 3 de setembro de 2015 os resultados da 4a Pesquisa Setorial Latitude, conduzida pela pesquisadora Profa. Dra. Ana Letícia Fialho (USP) em nome do Latitude – Platform for Brazilian Art Galleries Abroad, parceria entre a ABACT (Associação Brasileira de Arte Contemporânea) e a Apex-Brasil (Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos).

A presente edição da pesquisa analisa o desempenho das galerias em 2014, ano peculiar, com contexto econômico desfavorável, e com a realização da Copa do Mundo e eleições. A Pesquisa Setorial Latitude aponta uma surpreendente continuidade do crescimento do setor, atestado por 51% das galerias pesquisadas, com 47% delas registrando aumento na equipe de trabalho. Segundo a pesquisadora, apenas 14,6% das galerias informou crescimento negativo e não foram relatadas demissões no setor. “As maiores dificuldades enfrentadas pelas galerias, contudo, foram, por ordem de importância, a instabilidade econômica do país, a alta carga tributária e, da parte das galerias mais jovens, a dificuldade de acesso aos colecionadores institucionais”, destaca.

O setor como um todo aumentou a sua participação em feiras de arte nacionais e internacionais, atingindo a média de 5 feiras por galeria. A SP-Arte e a ArtRio consolidam-se como principais plataformas de negócios para as galerias, seguidas pela feira ArtBasel Miami Beach.

O peso dos colecionadores privados brasileiros segue bastante significativo, sendo responsáveis por 73% do volume de negócios realizados. O mercado nacional foi responsável por 85% das vendas e o internacional, por 15%.

A internacionalização segue em processo: 75% das galerias atestou vendas para o mercado internacional no ano passado. Os principais destinos para a arte contemporânea brasileira foram Estados Unidos, Colômbia, Reino Unido, França, Suíça e Espanha. Foram vendidas pelo menos 114 obras para 24 instituições internacionais, com destaque para o Guggenheim, que foi a instituição com maior número de aquisições de obras de galerias brasileiras em 2014.

A 4a Pesquisa Setorial Latitude será disponibilizada no site do Latitude (www.latitudebrasil.org) a partir do dia 3 de setembro.

Considerada a mais extensa pesquisa anual sobre o mercado de arte brasileiro, a Pesquisa Setorial Latitude é um dos principais resultados do projeto Latitude – Platform for Brazilian Art Galleries Abroad, que tem por objetivo criar oportunidades de negócio para o setor no exterior através de ações de inteligência comercial, capacitação, apoio à inserção internacional e promoção comercial e cultural.

Esta edição parte de informações coletadas sobre o desempenho das galerias associadas em 2014, a partir de dados da Apex-Brasil e de respostas a formulários digitais respondidos por 41 das 45 galerias do mercado primário de arte contemporânea brasileira então associadas à ABACT.

Sua realização tem por objetivo fomentar a criação de ferramentas de gestão e de promoção comercial por parte do Latitude, da ABACT e das galerias envolvidas, visando a melhoria e expansão dos negócios do setor. Agora em sua quarta edição, consolida-se como fonte de dados objetivos, organizados e confiáveis sobre o setor para agentes do sistema das artes, gestores públicos, parceiros, mídia especializada e demais interessados.

Os dados da pesquisa são agrupados em sete grandes temas que compõem os capítulos do relatório: perfil, escala, desenvolvimento e dinâmicas recentes, internacionalização, destaques e tendências das galerias brasileiras pertencentes ao projeto Latitude.

Histórico e ações do Latitude

No início do Projeto Latitude, em 2007, o valor de exportação atingido pelas galerias associadas ao programa foi de cerca de US$ 6 milhões. Em 2014, o volume exportado chegou a quase 34 milhões de dólares.

Somente no último convênio, 11 galerias foram introduzidas no mercado internacional com o apoio do programa Latitude, e mais de 30 galerias foram apoiadas pelo Projeto para participações em feiras internacionais, girando aproximadamente US$ 11,1 milhões em negócios, com vendas de mais de 500 obras para 37 países e para pelo menos 22 instituições internacionais. A expectativa da equipe do Projeto é de ampliar estes números neste novo Convênio.

Além de ações contínuas de gestão e de comunicação, voltadas para o fortalecimento institucional, estão previstas outras 22 ações para o biênio 2015-2016, entre as quais, o apoio às galerias participantes em importantes feiras internacionais, como a Art Basel Miami Beach (EUA), ArtBO (Colômbia), entre outras; realização de Art Immersion Trips, por meio das quais o projeto recebe formadores de opinião, profissionais e colecionadores para vivenciar a cena cultural brasileira; capacitação das galerias para atividades específicas e para atuação no mercado internacional; e a realização de pesquisas setoriais e estudos sobre mercados específicos. O conjunto de ações tem como objetivo aumentar o resultado das exportações do mercado primário de arte contemporânea brasileira com uma visão de longo prazo.

Compartilhar: