Blau Projects apresenta exposição “Na Iminência”, com curadoria de Carolina Soares

Com abertura marcada para dia 27 de junho, sábado, a Blau Projects apresenta a exposição Na Iminência, com curadoria de Carolina Soares. A exposição é resultado da segunda edição do C.LAB Mercosul, edital focado em curadoria que se dedicou a selecionar projetos de todos os países latino-americanos. Para a exposição de Carolina Soares foram escolhidos seis artistas, dentre eles três colombianos e três brasileiros para tratar de questões comuns aos dois países como a colonização e a atual conjuntura econômica, política e social.

Para isso, foram selecionados seis artistas, dentre os quais, três colombianos: Ana Karina Moreno, com a fotografia digital Clausurado (da série Bolivar Bolos Club), de 2010; Camila Echeverría Martínez, com a fotografia Bogotá Fragmentada, de 2014 e Camilo Ordóñez Robayo, com a instalação Memoria Colonial, de 2010. Dentre os brasileiros, pode se destacar a escolha pela instalação em todos os trabalhos dos artistas; Haroldo Saboia, com Como Construir um Diagrama, de 2014; Jaime Lauriano, com A História se Encerra em Mim, de 2013 e Reginaldo Pereira, com o trabalho Sem Título, de 2015.

O paulistano Jaime Lauriano apresenta a obra A História se Encerra em Mim, uma placa em bronze cravada na entrada da galeria. A obra remete às placas de bronze de monumentos históricos comuns, trazendo a frase A história se encerra em mim, como um contraponto à rigidez do que é contada nos livros e que questiona de que modo a história atravessa os tempos. Nascido em Bogotá, o artista Camilo Ordóñez Robayo criou uma lápide com uma crítica ao Bicentenário da República da Colômbia, celebrado em 2010, quando o artista participou de manifestações e tornando pública a obra por meio de suas performances.

Cidades fragmentadas
A colombiana Camila Echeverría Martínez já morou em São Paulo, São Francisco, nos Estados Unidos, e atualmente vive em Bogotá. No trabalho Bogotá Fragmentada, apresentado na exposição, a artista mostra, numa fotografia, fragmentos de fotos de prédios espelhados feitos nas três cidades. No reflexo da imagem, estão as casas dos arredores, telhados, partes de comércio, casas populares e fios de alta tensão que ‘revelam o quanto a arquitetura contemporânea inserida nas economias globais desconsidera as realidades socioculturais locais’, segundo a curadoria. Ainda segundo Carolina Soares, apesar da arquitetura estar ‘petrificada, aquilo que ela reflete é movente, é heterogêneo, é desigual, guarda memórias, vidas’.

Um clube que funcionou durante 42 anos em Bogotá, o Bolivar Bolos Club e sua posterior desativação em nome da ‘renovação urbanística’ da cidade, é tema da obra da colombiana Ana Karina Moreno. A artista reúne fotografias que se tornam flagrantes de uma promessa de progresso onde o passado não pode mais residir. A obra escultórica do brasileiro Reginaldo Pereira, Sem Título, de 2015, questiona a burocracia e a utilidade dos objetos. Por fim, o brasileiro Haroldo Saboia apresenta a obra Como Construir um Diagrama, que ‘propõe pensar de modo crítico sobre a subjetivação da história’, segundo a curadoria.

C. LAB
Promovido pela Blau Projects, o C.LAB, edital voltado à curadoria, chega a sua segunda edição, desta vez aumentando seu espectro de atuação e abrindo as inscrições para projetos da América Latina. Após receber 26 inscrições de projetos de curadores de países como Argentina, Bolívia, Brasil, Colômbia, Chile, Peru, México e Uruguai, a comissão seleção, formada por curadores de diversos países – um alemão, uma portuguesa e um brasileiro –, escolheu os dois projetos: Território, Povoação, de Juliana Gontijo e Gabriel Bogossian e Na Iminência, de Carolina Soares. A escolha dos projetos foi feita pela comissão de seleção formada por Alfons Hug, diretor do Goethe Institut e curador do Pavilhão Latino Americano na Bienal de Veneza 2015; Marta Mestre, curadora adjunta do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, e Rafael Fonseca, curador adjunto da Bienal do Mercosul 2015.

Blau Projects
Com foco nas diversas linguagens como pintura, fotografia, vídeo, desenho, performance e o tridimensional, a galeria está situada em espaço aberto desde agosto de 2013, desenvolvido para fortalecer o diálogo com o público e artistas. ‘Nossa missão é apoiar e estimular artistas emergentes, além de fomentar a discussão sobre a arte contemporânea’, conta Juliana Blau. Os artistas que a galeria representa são Andrey Zignnatto, Marcone Moreira, Renata Cruz, Vítor Mizael, Éder Oliveira e Bruno Drolshagen.

Serviço
Abertura da exposição resultado do edital C.LAB
Na Eminência, de Carolina Soares
Abertura dia 27 de junho, sábado, das 12h às 19h
Serviço de manobrista no local como cortesia

Visitação até 8 de agosto
Horário de funcionamento: terça a sábado, das 11h às 19h
Entrada gratuita
www.blauprojects.com/clab

Compartilhar: