Abraham Palatnik “A Reinvenção da Pintura”

Abertura da exposição “A Reinvenção da Pintura”
com curadoria de Pieter Tjabbes e Felipe Scovino.

Fotos: Paulo Jabur

Centro Cultural Banco do Brasil CCBB – Rio de Janeiro

A obra de Abraham Palatnik caracteriza-se por uma qualidade inegável: permite não só observar as passagens do moderno ao contemporâneo, mas também reconhecer uma das primeiras associações entre arte e tecnologia no mundo. Esta exposição ultrapassa os limites da pintura e da escultura modernas, in tenção que o artista manifestou claramente nos Aparelhos Cinecromáticos, nos Objetos cinéticos e em suas pinturas, quando passou a promover experiências que implicam uma nova consciência do corpo.

A contribuição de Palatnik para a história da arte não se dá apenas (como se isto fosse pouco) por sua posição como um dos precursores da chamada arte cinética, mas também pela leitura particular que faz da pintura e em especial pela articulação que promove entre invenção e experimentação. Seu lado “inventor” está presente em uma artesania muito particular que o deixa cercado em seu ateliê por porcas, parafusos e ferramentas construídas por ele mesmo, e não pelas tintas, imagem característica de um pintor. O crítico de arte Mário Pedrosa e o escritor Rubem Braga já afirmavam, na década de 1950, que Palatnik pintava com a luz.

A exposição também chama a atenção para mais dois aspectos importantes: a forma como o artista explora o tempo em suas obras e a sua ligação com a indústria e o design. Nesta mostra reunimos todos esses momentos da obra extraordinária de Abraham Palatnik.

Felipe Scovino / Pieter Tjabbes – CURADORES

Compartilhar: