© Reprodução

No sábado, dia 16 de maio, acontece a abertura da exposição individual LAVA, de Vânia Barbosa, a partir das 14h, na Sergio Gonçalves Galeria. Serão expostos objetos, pinturas e fotografias. Em sua mostra, a artista plástica reúne ideias sobre o significado e a interseção entre fogo e terra.

Inicialmente, a ideia da artista foi explorar os quatro elementos, mas, ao trabalhá-los, foi fisgada pelo fogo e pela terra. “Comecei a perceber e buscar a interseção entre esses dois elementos. O fogo, em seu abrangente significado que aquece, que ilumina mas que também destrói. Que arde e crepita sobre a vela revelando a fé. Quando falo em fé, não quero entrar em nenhuma crença religiosa, mas penso, no sentido amplo do acreditar. Crer em algo.”, comenta Vânia.

Da mesma forma, a terra é mãe que acolhe e dá segurança. “Terra é a LAVA que resfria e forma o chão no qual pisamos, mas como falar da terra sem pensar em seu abate? A terra é abatida como são abatidos os animais. Vemos a terra sendo explorada, arrancada, queimada, deslocada, arranhada por mãos de ferro. A terra, esta matéria primordial da qual é retirado o minério, o ferro. Separação seca, onde só é visado o capital. O homem esquece que existe uma relação de simbiose entre ele e o universo. Esquece também das consequências deste estrago e é aí que podemos perceber a descrença. Mais uma vez a interseção fica clara: desacredito no homem quando vejo a terra abatida. A fé falha. E dói…”, completa a artista.

Os elementos fogo e terra, entrelaçam no ciclo da criação e destruição, fé e descrença. A exposição fica em cartaz até o dia 30 de junho, de terça a sexta-feira, das 11h às 19h, e aos sábados, das 11h às 18h.

As informações da agenda são de responsabilidade das equipes de produção e divulgação das exposições e não representam o ponto de vista da Dasartes.

Compartilhar: