MONTEZ MAGNO, Tinta luminosa sobre cartão betumado, 1967. Foto Fred Jordão.

A coletiva inaugural da nova Galeria Base em São Paulo reúne 24 trabalhos dos artistas Anna Bella Geiger, Anna Maria Maiolino, Antonio Dias, Eduardo Climachauska, José Rufino, Lygia Pape, Mira Schendel e Montez Magno.

A exposição apresenta obras que compreendem um recorte da década de 1960 aos dias de hoje de artistas de gerações distintas em que, segundo o curador, Douglas de Freitas, “de modo geral, e à primeira vista, têm questões ligadas ao desenho, como a linha e a geometria. Características próprias da produção de cada artista estão presentes nas obras, configurando novos recortes e abordagens possíveis”.

Como o próprio título “[co]existências” sugere, a mostra propõe uma leitura cruzada. “As obras de Antonio Dias, Anna Bella Geiger e Montez Magno, cada uma a seu modo, estabelecem um diálogo a partir de uma discussão territorial”, acrescenta Douglas. Exceto pelas esculturas de José Rufino, que em abril deste ano recebeu o prêmio na categoria de melhor artista contemporâneo pela ABCA (Associação Brasileira de Críticos de Arte), e de Eduardo Climachauska, outro ponto de convergência da mostra vem a ser o suporte em papel.

Compartilhar: