Programação Setembro | SESC 24 de maio

Agostinho Batista de Freitas

Exposição “São Paulo Não É Uma Cidade – Invenções do Centro”

De 1/9 a 27/1, terças a sábados, das 9h às 21h. Livre

A mostra apresenta uma possibilidade de apresentação e leitura do centro de São Paulo, a partir da discussão sobre o conceito de centro e de cidade e os contextos da história, da arte, da arquitetura, do urbanismo, da indústria, do comércio e dos lugares emblemáticos, assim como sobre as pessoas, ofícios, saberes e cotidianos dessa composição urbana complexa e diversa.
O recorte é similar a um almanaque que busca apresentar dados fundamentais e de destaque desta região, assim como curiosidade e leituras críticas do Centro. De modo não linear ou cronológico, os curadores propõem uma experiência múltipla e diversa para os visitantes, abordando o assunto sobre muitas camadas de aprofundamento.

 

vivência
FAROFA – Exposição “São Paulo Não É Uma Cidade – Invenções do Centro”
De 3 a 24/9, quintas e domingos, das 13h às 17h. Exceto dias 14/9 e 21/9. Jardim da Piscina. 300 pessoas. Grátis – Sem retirada de ingressos.

É um dispositivo de encontro para apropriação e pensamento sobre o espaço público, formato por 6 almofadas onde se lê F .A. R. O.F.A e funciona como catalisador para os desejos das pessoas em torno do centro de São Paulo. Concepção e direção: Laura Sobral com mediação de Marcella Arruda.
Para fazer farofa é simples: Ocupe as  almofadas, leve o que te fizer feliz e puxe papo! Uma vez confortáveis e felizes, agora é só trocar, conhecer pessoas novas, conversar sobre a vizinhança e curtir o espaço.
passeio
Percurso “O Pátio do Colégio, destruições e reconstruções religiosas em Sp” – Exposição “São Paulo Não É Uma Cidade – Invenções do Centro”

Dia 16/9, sábado, das 10h às 12h30. Dia 16/9, sábado, das 15h às 17h30. Não recomendado para menores de 18 anos. Praça – Térreo. 50 pessoas. Grátis – Retirada de convites no dia da atividade.

Programação integrada a exposição São Paulo não é uma cidade
O percurso relata as várias camadas de história presentes no local considerado o ponto de nascimento da cidade, as três versões da igreja jesuítica, o processo de decadência e a demolição da igreja pela Primeira República, e o progressivo processo de retomada a partir da década de 1930, culminando na decisão pela devolução do terreno aos jesuítas e a reconstrução do conjunto no contexto do IV Centenário da Cidade. Com João Carlos Kuhn, pesquisador em história e fundamentos da arquitetura e  urbanismo e integrante do Coletivo SP Safari.
curso
História da Arte Brasileira_ São Paulo Modernista – 
Exposição “São Paulo Não É Uma Cidade – Invenções do Centro” – com Mirtes Marins.

De 16/9 a 7/10, sábados, das 14h às 17h. Sala 3 Oficinas. 25 pessoas. Grátis – Inscrições gratuitas na Central de Atendimento – Vagas limitadas. Não recomendado para menores de 16 anos.O curso apresentará e discutirá um panorama sobre as representações, por vezes contraditórias, da cidade de São Paulo desde o século XIX, em particular aquelas que mostram as mudanças documentadas da virada para o século XX no sentido de sua transformação em lugar modernista. Serão enfocadas as produções arquitetônicas e modos de vida – presentes nas narrativas visuais – em sua tentativa de adequação aos modelos europeus, mas também em suas dissonâncias. Além disso, nesse recorte iremos aprofundar o debate em torno dos eventos da Semana de 22 e a produção de seus participantes. Com Mirtes Marins.
bate-papo
Chá de lírio_ Drogas e Espaço Urbano: Cracolândia –
Exposição “São Paulo Não É Uma Cidade – Invenções do Centro”

Dia 20/9, quarta, das 17h30 às 20h30. Não recomendado para menores de 16 anos Série com 5 encontros. Varanda Oficinas. 45 pessoas. Grátis – Sem retirada de ingressos.

“Chá de Lírio” é uma roda de conversa realizada pelo Centro de Convivência É de Lei, em que a cada edição mensal serão debatidos temas diversos como: redução de danos, saúde, cidadania, políticas de drogas, gênero, políticas públicas, estigmas e preconceito, etc. Nessa primeira roda de conversa o tema é o território. Em que período e circunstância o bairro da Luz em São Paulo, se torna conhecido como Cracolândia? A história do bairro e sua relação com a questão do uso de drogas em espaço público é o tema da discussão, assim como um panorama dos projetos de mudanças no território e as intervenções estatais e não estatais. Com o Centro de Convivência É de Lei.

Mini bio: O “É de Lei” é considerado o primeiro centro de convivência para usuário de drogas no Brasil. Se caracteriza como um espaço de interação social que propicia a reflexão e a mudança de postura frente a pouca ou nenhuma prática de prevenção sexual e ao uso indevido de drogas lícitas e ilícitas, além de promover o autocuidado com a saúde, a autonomia e a cidadania.

 

passeio
Percurso_ Dando a Volta por cima: praça da Bandeira –
Exposição “São Paulo Não É Uma Cidade – Invenções do Centro”.

Dia 30/9, sábado, das 10h às 12h30 e das 15h às 17h30. Não recomendado para menores de 18 anos. Praça – Térreo. 50 pessoas. Grátis – Retirada de convites com 1h de antecedência.

Poucos espaços em São Paulo foram objeto de tantas propostas como a região Praça da Bandeira, por parte de arquitetos como Niemeyer, Artigas, Lina Bo Bardi, entre outros. As propostas ficaram no papel ou foram apenas parcialmente realizadas. Por outro lado, a praça funciona bastante bem como polo de entroncamento de transporte público para as pontas da metrópole. O percurso traz a história da região desde que era o ponto de chegada de tropeiros e de comércio de escravos, passando pelas intervenções embelezadoras do início do século XX, o sonho de realização do Paço Municipal por Prestes Maia,as propostas do alto modernismo no espaço da câmara  municipal, as  intervenções  de  infra – estrutura  – avenidas, metrô, corredor de ônibus, a tragédia do incêndio do Joelma. Grande parte do percurso é realizada sobre as passarelas, que são assim exploradas como recurso de fruição da cidade, e não apenas como espaços de passagem. Com Gustavo Marques Santos, pesquisador em arquitetura e urbanismo integrante do Coletivo Sp Safari.

Compartilhar: